,
Pesquisar
Close this search box.

Banco Mundial prevê crescimento lento na América Latina

Lucas Morais em 14/jan/24, atualizado 6/mar/24 às 10h – Compartilhe
Lula discursando. Foto por: Oliver Kornblihtt. Acervo do Flickr (Creative Commons).
Lula discursando. Foto por: Oliver Kornblihtt. Acervo do Flickr (Creative Commons).

A América Latina enfrenta vários problemas econômicos há alguns anos. Apesar de mostrar uma certa resiliência em certos aspectos, no geral o continente ainda possui um desenvolvimento muito aquém do esperado. Às vezes, isso é resultado de circunstâncias de mercado, mas geralmente o que ocorre é uma sucessão de más gestões econômicas.

O Banco Mundial fez uma previsão recente de crescimento de 2,4% na América Latina e Caribe para 2024. Enquanto para 2025, estima-se um aumento de 2,6%. Embora essa expansão esteja acima da taxa anteriormente divulgada, ainda permanece abaixo das demais regiões do mundo, sendo considerada insuficiente para impulsionar a criação necessária de empregos, inclusão social e redução da pobreza.

Para o Brasil, o Banco Mundial projetou um crescimento de 1,4% em 2024 e 2,2%, em 2025. Segundo o que consta no relatório, o país conseguiu “realizar reformas macroeconômicas de forma adequada”, o que possibilitou ao Brasil ter maior resiliência a possíveis choques de oferta na economia.

Venezuela e Argentina seguem como incertezas no continente

Apesar dos números relacionados à pobreza e o nível de emprego terem melhorado no continente em comparação com os níveis anteriores à pandemia de Covid-19, Argentina e Venezuela seguem apresentando uma inflação cada vez maior e descontrolada.

Aliada a esses fatores, existem muitas incertezas políticas nesses dois países. A Argentina passou por uma eleição recente e elegeu Javier Milei como presidente, um autêntico “outsider” com ideias pouco convencionais e que traz, muitas vezes, incertezas ao povo argentino. Ao mesmo tempo, tanto o setor privado quanto o público continuam ajustando os preços de forma intensificada na Argentina, o que agrava ainda mais a inflação e impacta negativamente o consumo, ao menos no início de sua nova gestão.

Javier Milei. Foto por: Ilan Berkenwald. Acervo do Flickr (Creative Commons CC0 1.0).
Javier Milei. Foto por: Ilan Berkenwald. Acervo do Flickr (Creative Commons CC0 1.0).

A questão da Venezuela também é delicada e, na realidade, é ainda mais delicada do que a Argentina. Isso porque a Venezuela enfrenta crises políticas e econômicas há anos e não tem conseguido demonstrar qualquer eficiência relevante no combate à inflação. É claro que o embargo promovido pelos EUA e parte da Europa afeta bastante a economia local, mas não é suficiente para explicar os problemas causados pela má gestão do governo.

Existe, ainda, um impasse recente entre Venezuela e Guiana. O governo venezuelano insiste em anexar uma parte do território que hoje pertence a Guiana. Essa questão tem causado uma grave crise na fronteira, inclusive com participação de outros países – como o Brasil – na tentativa de solucionar esse problema.

Desaceleração da China pode afetar também a América do Sul

A China é uma das principais responsáveis por importar mercadorias primárias dos mercados da América Latina. No entanto, as projeções divulgadas pelo Banco Mundial não são muito animadoras para os asiáticos. A China ainda deve crescer cerca de 5,1% no ano corrente, mas a previsão atual é menor do que a previsão divulgada no relatório anterior. Essa desaceleração se deve a desafios internos persistentes, como o enfraquecimento na recuperação pós-reabertura econômica, níveis elevados de endividamento e fragilidades no segmento imobiliário.

O fato é que esse cenário econômico chinês pode afetar a dinâmica do comércio dos países da América Latina, especialmente aqueles que dependem totalmente da exportação de mercadorias primárias. A menor procura por essas mercadorias tende a reduzir drasticamente o seu preço, resultando em balanças comerciais desfavoráveis e pressões por desvalorização da moeda.

É importante ressaltar que, em muitos países, as empresas exportadoras de matérias primas e commodities são estatais. Isso significa que, caso a desaceleração chinesa atinja altos níveis, as receitas fiscais desses países também diminuirão, o que apresenta uma ameaça à sustentabilidade fiscal, fator já vulnerável nos países da América Latina.

Compartilhar:

Selecione uma marca para ir ao assunto relacionado:

Últimas Novidades
Entenda os segredos dos melhores lugares do mundo para se envelhecer bem e com saúde.
Jogos de estratégia e gerenciamento de recursos podem ensinar bastante sobre questões capitais da vida, principalmente quando se trata de planejamento e tomada de decisões.
Aliens: Colonial Marines foi um dos lançamentos mais polêmicos dos games e nos traz lições valiosas sobre desenvolvimentos conturbados sem seus devidos cuidados.
Recentemente, o governo brasileiro anunciou mudanças na taxação de importações. Anteriormente, compras internacionais de até 50 dólares eram isentas de impostos de importação.
Saiba as 8 lições e insights que Dale Carnegie nos deixou em sua obra literária mais famosa.
Quais os fatores têm causado a queda da audiência da Twitch, forçando a plataforma a tomar novas atitudes.
O governo dos Estados Unidos aprovou, recentemente, um projeto de lei visando proibir o TikTok no país.
Empresa promete construir uma ilha voltada somente para o eSports, com uma estrutura nunca antes vista.
Evento Brazilian iGaming Summit - BiS SiGMA Americas chegou a sua terceira edição batendo recorde de público.
A Islândia é um expoente de liderança progressista ao alcançar o título de país com a menor desigualdade salarial entre os gêneros no mundo.
Devido a uma "descrença" no sistema financeiro e político do país na última década, algumas pessoas parecem ter visto na criptomoeda uma saída conveniente.
A economia japonesa tem apresentado dificuldades que estão tirando o país da liderança global. Conheça também o novo visto para "nômade digital".